Como investir na Bolsa de Valores

Investir na Bolsa de Valores ainda é algo distante e que mexe com o imaginário de muitos. A dinâmica de investimentos em renda variável nem sempre é bem compreendida, o que acaba gerando dúvidas para a maioria.

Tanto é fato, que no Brasil apenas 1% da população investe no mercado de valores mobiliários. Isso acontece, muito em função, da pouca ou nenhuma cultura de investimentos que falta para os milhares de brasileiros.

Além disso, a Bolsa de Valores ainda é vista como lugar onde apenas os ricos e milionários fazem parte. Mas está mais do que na hora de quebrar esse paradigma e mostrar que qualquer pessoa pode investir na Bolsa de Valores!

Um pouco sobre a Bolsa de Valores

Inicialmente, é preciso entender que a Bolsa de Valores é o ambiente onde são negociados os valores mobiliários. Ou seja, onde as empresas disponibilizam pequenas partes de seu capital aos investidores interessados.

A bolsa de valores brasileira surgiu em 1890, passando por várias mudanças ao longo dos anos. Até que em 1967 ela se torna a Bolsa de Valores de São Paulo, ou também chamada de Bovespa.

No ano de 2008, a Bovespa e BM&F iniciam o processo de fusão, dando origem a BM&F Bovespa. E em 2017, em nova fusão com a Cetip (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos) surge a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

Mas, independente de nomes e fusões, o mais importante é entender a relevância da Bolsa de Valores no mercado brasileiro. Pois é por meio dela que uma sociedade se torna mais rica e mais desenvolvida.

Ambiente de negociação

A Bolsa de Valores (B3) é o ambiente criado para as negociações de valores mobiliários. Nesse “local”, as empresas que buscam investimentos para fomentar seus projetos, disponibilizam parte do seu capital para novos acionistas.

Ou seja, a B3 faz a interação entre compradores e vendedores, porém de uma forma totalmente organizada e segura. Assim, vendedores ficam assegurados de receber o dinheiro e os compradores de receber suas ações.

Outro papel fundamental da Bolsa de Valores é a salvaguarda dos títulos negociados entre as empresas e os investidores. Para tanto, foi criada a CLBC – Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia.

Além disso, todo o volume de negociação realizada neste ambiente é mensurado pelo Ibovespa (IBOV). Esse índice mede o volume e o desempenho das empresas que estão listadas na B3.

Como funciona a B3

Quando uma empresa busca capital na B3, ela faz o chamado IPO – Oferta Pública Inicial. Ou seja, ela disponibiliza parte de seus ativos, em troca de dinheiro, para aqueles que querem investir em suas ações.

Com o aporte de dinheiro, estas empresas podem investir em tecnologia, expansão e diversas outras melhorias. Já para aqueles que adquiriram as ações e se tornaram acionistas, a expectativa é de receber lucros e dividendos destas empresas.

Mas para quem quer se tornar um investidor nesse mercado, é necessário ter conta em uma corretora de valores. Pois toda essa dinâmica só é possível por meio das corretoras e suas plataformas de negociação.

Além disto, é imprescindível estudar sobre este mercado. Entender sobre as análises técnica fundamentalista, acompanhar os especialistas em mercado financeiro e, principalmente, conhecer a saúde financeira a qual se quer investir.

Investir na bolsa é algo simples e não requer grande quantidade de dinheiro. Mas por se tratar de aplicações com alto risco, requer muito estudo, conhecimento e planejamento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *